VUCA: sua empresa está preparada?

O mundo está se transformando em alta velocidade. Então, transforme-se na mesma velocidade. O que você planejou hoje provavelmente terá de ser completamente modificado amanhã.

 

Publicado em 10/08/2018

 

O mundo se tornou vulnerável, incerto, complexo e ambíguo (VUCA, na sigla em inglês: volatility, uncertainty, complexity and ambiguity). As organizações estão sentindo o impacto destas mudanças ocasionadas principalmente pela conectividade e pelos avanços tecnológicos. As tecnologias exponenciais, como a inteligência artificial, a robótica, a impressão 3D e a sensorização aliada a internet das coisas, estão mudando a natureza dos negócios. As fronteiras geográficas, setoriais e de negócios praticamente desapareceram. Todo este movimento acelerado gera incerteza, aumenta a ambiguidade e a imprevisibilidade sobre o futuro. Está cada vez mais difícil entender as causas e os “quem, o quê, onde, como e porquê” por trás das mudanças.

Alguns setores têm sentido o impacto mais profundamente com a entrada de novos players digitais, a exemplo do setor de mídia (I-tunes e Netflix, Facebook, Snapchat), varejo (Amazon, Alibaba, Tencent, Ebay) e o de turismo (AirBnb, Booking, Expedia, Trip Advisor, Odigeo). Mesmo indústrias tradicionais, como banco, energia, saúde e automobilística, já sentem a revolução tecnológica. As Fintechs que são as start-ups financeiras que usam o block chain como base tecnológica, segundo informações do próprio setor, estas empresas irão abocanhar 20% do faturamento total estimado, em um trilhão de dólares nos próximos cinco anos. O Brasil já tem hoje mais de 150 fintechs, e a metade delas já alcançou um faturamento acima de um milhão de reais de acordo com o relatório do FintechLab. E a revolução não para por aí. Qualquer setor hoje está sujeito à ruptura causada por um novo player tecnológico que pode surgir sem avisar. Ou do Vale do Silício, ou de Israel ou de qualquer lugar onde o capital de risco, o empreendedorismo e a tecnologia estejam andando de mãos dadas.

É interessante notar que cada vez é mais rápido o tempo entre alguém – normalmente jovem – ter uma ideia e esta ideia se transformar em um negócio de um bilhão de dólares. Este grupo de empresas é conhecido como unicórnio. Somente na Europa, o número de unicórnios saltou de 30, em 2014, para 60, em 2015. A Uber, por exemplo, foi avaliada em 50 bilhões de dólares cerca de cinco anos depois de sua fundação. Contrariando os mais resistentes que ainda acreditam que as questões relacionadas com regulamentações e taxas podem impedir o desenvolvimento das empresas unicórcnio. A empresa continua a atrair novos investidores. A Microsoft investiu 100 milhões de dólares na empresa recentemente. O Snapchat, é outro exemplo. A empresa se tornou popular em 2013, foi criada em 2011 por 3 jovens (Reggie Brown, Bobby Murphy e Evan Spiegel) da fraternidade da universidade de Standford. No seu IPO que deverá acontecer em março próximo, a empresa deverá atingir um valor entre 20 a 25 bilhões. No Brasil, a Movile, dona do aplicativo de conteúdo para crianças PlayKids superou a marca de 6 milhões de usuários e está perto de se tornar um unicórnio.

As start-ups digitais impulsionadas pelo mundo VUCA têm uma vantagem sobre os negócios tradicionais. Elas são capazes de inventar negócios e indústrias endereçando a necessidade dos consumidores de maneiras totalmente novas. É só ver o que o Uber fez com o negócio de transporte ou o AirBnb com a indústria de turismo. Para competir com as novatas, os negócios tradicionais precisam criar estratégias de ataque que alavaquem as suas forças – reconhecimento de marca, relacionamento com os consumidores, produtos e serviços de nicho - para criar vantagens competitivas. Esta reação não significa simplesmente incorporar a tecnologia dentro do negócio atual. Precisa entender o impacto da exponencialidade nos hábitos de consumo e antecipar as mudanças criando novas oportunidade. Em uma entrevista recente o presidente do conselho da Cisco – John Chambers – menciona que em 10 anos 40% dos consumidores de qualquer empresa desaparecem. Os consumidores mudam hábitos de consumo com a entrada de novos players digitais que criam modelos de negócio que trazem mais conveniência, mais simplicidade e barateiam os serviços ou produtos existentes.  A empresa que não consegue antever esta mudança acaba desaparecendo.

A pergunta que cada empresa precisa fazer não é mais se o seu negócio sofrerá uma ruptura, e sim, quando esta ruptura irá ocorrer. Este é o prazo que ela terá para se reinventar. O período de transição não é simples. Sair do velho e ir para o novo requer novos recursos, processos e competências e principalmente canibalizar os modelos tradicionais que estão se tornando obsoletos. A saída adotada pelas empresas é a inovação. Ao mesmo tempo é preciso explore e exploit. Ou seja, a empresa precisa ao mesmo tempo aproveitar o crescimento dos seus negócios atuais enquanto explora (experimenta) novos negócios e se reinventa.

A complexidade de se conviver com dois negócios simultâneamente é um grande desafio. Especialmente para as empresas com negócios líderes de mercado, criadas no século passado. Uma das dificuldade que os negócios tradicionais têm é que eles super estimam o tempo de vida útil dos seus negócios, como foi o caso da Kodak que foi a primeira empresa a construir a câmara digital. A empresa não acreditou que o seu negócio de filmes seria destruído pela digitalização e descartou a possibilidade de testar o mercado de câmaras digitais. A Kodak ficou tão presa ao sucesso que não enxergou a mudança, mesmo tendo feito o primeiro protótipo da câmera digital em 1975, pelo então funcionário da empresa Steve Sasson. As estruturas, processos que orientaram o crescimento das empresas são as mesmas que matam as oportunidades emergentes. A resistência e o apego aos negócios atuais acabam turvando a mente dos gestores sobre as mudanças que estão ocorrendo.

Uma coisa certa do momento atual: as soluções do século XX já não são mais suficientes para dar respostas para os desafios do século XXI.  A complexidade dos desafios estão pressionando as organizações para criar abordagens mais criativas e mais ágeis. O pensamento linear que orientou e desenvolveu as organizações do século passado precisa ser substituído pelo pensamento não-linear que é criativo e obtém respostas de formas não-tradicionais. No pensamento não-linear a inovação é preponderante para achar novas soluções para os paradoxos da mudança O processo decisório também toma novas direções e se torna mais experimental, aberto e colaborativo. A resposta está na simplificação e na experimentação contínua. Neste novo contexto novas competências organizacionais começam a se delinear como a autonomia, a interdependência e a acuidade. A sua empresa está preparada para o mundo VUCA?

 

Quer tirar alguma dúvida?

Fale com a nossa equipe de relacionamento!

 

Receba nossas newsletters

* : mandatory fields

Your personal data is collected by Mazars in Brazil, the data controller, in accordance with applicable laws and regulations.
Fields marked with an asterisk are required. If any required field is left blank, it will not be possible to process your request.
Your personal data is collected for the purpose of processing your request.

You have a right to access, correct and erase your data, and a right to object to or limit the processing of your data. You also have a right to data portability and the right to provide guidance on what happens to your data after your death. Finally, you have the right to lodge a complaint with a supervisory authority and a right not to be the subject of a decision based exclusively on automated processing, including profiling, that produces legal effects concerning you or significantly affects you in a similar way.

Share